The Urban
Lifestyle

Cycle Cities

As cidades mais bike friendly de 2015
share this articleShare on Facebook0Google+1Pin on Pinterest0Tweet about this on Twitter

As cidades mais bike friendly de 2015

Com cada vez mais adeptos, a bicicleta é, e continua, a ser reconhecida a nível mundial como alternativa de transporte urbano aumentando a sua cultura de dia para dia. As cidades sentem uma necessidade de evoluírem nesse sentido, já que a poluição e congestão rodoviária se tornam cada vez mais dramáticas.

Para conhecer as cidades mais bike friendly de 2015, recorremos ao índex de Copenhagenize que se baseia em critérios bem definidos como: cultura ciclista, infraestruturas, programas de partilha de bicicletas, segurança, aceitação social, políticas em prol do uso da bicicleta, planeamento urbano, entre outros.

Top 10 cidades

Copenhaga, Dinamarca

As cidades mais bike friendly de 2015

Não é surpresa que Copenhaga está em primeiro lugar. Considerada a cidade europeia mais bem preparada a nível de infraestruturas e cultura de ciclismo urbano, todos os anos nota-se um esforço cada vez maior para vingar sobre outros meios de transporte.

Amsterdão, Holanda

As cidades mais bike friendly de 2015

A capital Holandesa é a eterna adversária de Copenhaga. Apesar de possuir vários critérios com pontuação bastante positiva, ficou em 2º lugar devido à resistência que possui a nível de modernização levando a um congestionamento cada vez maior de ciclistas urbanos. No índex percebemos novas políticas de uso de bicicleta são necessárias para voltar a colocar esta cidade no número 1.

Utrecht, Holanda

As cidades mais bike friendly de 2015

Conhecida como a irmã mais nova de Amesterdão, continua a ser um exemplo a seguir para as cidades mais pequenas e possui uma taxa de crescimento cada vez mais elevada. Programas como “Utrecht Atrativa e Acessível” são um passo na direção certa para evoluírem cada vez mais e, consequentemente, subirem no ranking.

Estrasburgo, França

As cidades mais bike friendly de 2015

Como exemplo mais positivo do ciclismo urbano francês, temos a cidade de Estrasburgo. Com uma cultura cada vez mais insistente no planeamento urbano para o uso de bicicletas, podemos dizer que as sementes estão plantadas, resta ver o jardim crescer.

Eindhoven, Holanda

As cidades mais bike friendly de 2015

Consistência é a palavra-chave para esta cidade holandesa. Pedalar em Eindhoven é cada vez mais forte e estável. Através de muito esforço, foi colocada no ranking acima de outras cidades dinamarquesas, pecando apenas pela sua falta de inovação.

Malmo, Suécia

As cidades mais bike friendly de 2015

Ao contrário de Gothenburg e Stockholm, que perdem por falta de inovação e vontade política, Malmo destaca-se pela insistência em restabelecer a bicicleta no panorama urbano.

Nantes, França

As cidades mais bike friendly de 2015

 

Através de grandes investimentos em infraestruturas e projetos, Nantes aposta numa diversidade única de projetos que potenciam a utilização da bicicleta além de uma aposta elevada na vertente social/educativa para possibilitar uma coexistência positiva entre condutores de veículos e ciclistas.

Bordéus, França

As cidades mais bike friendly de 2015

Um firme investimento em infraestruturas e projetos amigos da bicicleta deu a Bordéus um boost enorme no ciclismo urbano. Com uma atitude séria em relação ao ciclismo urbano, a cidade investiu seriamente em ciclovias e programas de partilha de bicicletas.

Antuérpia, Bélgica

As cidades mais bike friendly de 2015

A maior cidade da Bélgica para pedalar continua a apostar em políticas que favorecem o uso da bicicleta. Influenciada pela Holanda, Antuérpia possui cada vez mais sistemas de partilha de bicicletas e uma cultura de utilização por várias faixas etárias e económicas. Possuem parques de bicicletas amplos sendo que o se encontra na estação de comboios é considerado o melhor da Europa.

Sevilha, Espanha

As cidades mais bike friendly de 2015

Em poucos anos, a percentagem de utilização de bicicleta desta cidade espanhola foi de 0,2% para 7% devido a vontade política, investimentos numa network de infraestruturas para bicicletas alargada e um sistema de partilha.

share this articleShare on Facebook0Google+1Pin on Pinterest0Tweet about this on Twitter